All fields are required.

Close Appointment form

Notícia

Nova geração de idosos mostra que estar na 3° idade não significa ser velho

Data: 06/10/2017

As mãos de Antônio Soares marcam o tempo. Sentado em uma cadeira de plástico na varanda de casa, ele usa a mesa como apoio para o batuque. Se não tiver a mesa, a baú da máquina de costura é a opção. Como bom sambista, sabe ser impossível controlar o tempo, que teima em seguir seu próprio rumo. Mas Soares sabe também que, na maciota, ele pode ser um aliado. Assim dá para ditar o ritmo, arranjar um compasso e seguir uma cadência, como o sambista tem feito ao longo dos seus 80 anos. Para cada pergunta, uma marchinha preparada na ponta da língua. 

Expostas na mesa da sala, estão as lembranças de outros carnavais. Panfletos, fotos, prêmios, pasta com letras de músicas, recortes de jornais. No meio de tantos objetos cheios de história, um pequeno gravador analógico de fita se destaca. O que parece mais uma recordação traz o futuro. É nele que Soares grava as composições e depois passa para o papel. A inspiração? Está na rotina, na mulher, nos amigos, no noticiário. “Um dia, meu amigo me chamou para tomar uma cervejinha. Aí eu disse que não poderia, porque tinha de cuidar do neto. Aí meu amigo disse: ‘Pô, virou babá?’. Fiquei com essa frase na cabeça e veio o samba”, conta. Em seguida, Soares emenda a música: “Depois de velho, eu virei babá, tomando conta de criança para não chorar. Meu Deus, que sina é essa? Que eu tenho de falar, depois de tanta idade, o vovô ficou gagá”, canta. 

Carioca, Soares veio para Brasília transferido pela Aeronáutica. Passou a maior parte da carreira cedido ao Palácio do Planalto. Amante de samba e morador do Cruzeiro, integra a Associação Recreativa Unidos do Cruzeiro (Aruc), mas foi no Pacotão que as suas marchinhas ganharam mais destaque. Inclusive, tem candidata pronta para 2018, guardada a sete chaves para ninguém copiar. Entre as letras mais recentes, estão a que fala da lei seca e a do acidente de avião que vitimou o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki. 

Sobre os 80 anos de vida, o resumo também vem na forma de marchinha. “Eu não sou velho, não sou. Nem acabado eu sou. Eu topo tudo que vier. Enquanto o coração bater, o meu papo é mulher. Velho, para mim, não existe. A idade é você que faz. Hoje, eu me sinto mais jovem do que o tempo em que eu era rapaz”.

Festas e academia

Como canta Soares, a nova geração de idosos do século 21 está mostrando que estar na chamada terceira idade não significa ser velho. A vitalidade, os planos, a descoberta de hobbies depois dos 60 anos fazem com que a sensação de velhice esteja cada vez mais distante. Os idosos são 15% da população. Daqui a 20 anos, a previsão é a de que esse número dobre. E, segundo a Organização Mundial de Saúde, por volta de 2025, pela primeira vez na história, haverá mais idosos do que crianças no planeta.

O corpo menos ágil não é mais desculpa para ficar parado. Se a saúde parecia frágil e deixava o idoso mais caseiro, agora ele busca qualidade de vida com exercícios, alimentação e mais acesso à medicina. Esse perfil da terceira idade não para de crescer. Marilene Soares Nascimento, 68 anos, é casada com Soares. Ela comenta que a mãe morreu aos 56 anos. “Minha mãe era mais idosa do que eu agora. Muito mais comedida, caseira. Hoje, eu vou a festas, faço academia. Não paro”, comenta. 

A mineira Vanilda Alves da Silva Dias, 70 anos, compartilha da mesma sensação de Marilene. “Minha vó, eu conheci doente. A minha mãe era muito caseira e dengosa. Eu, depois dos 60 anos, descobri um novo hobby: viajar. Eu tenho perspectivas, planos. Isso proporciona a minha longevidade”.

Marlene Pinto Cerqueira está com 83 anos e é só planos. Para ela, a terceira idade tem um significado especial. “Eu percebi que passei pela vida e não estava vivendo”, comenta. Foi depois dos 60 anos que ela conheceu vários países da Europa, viajou pelo Brasil e descobriu a paixão pela Costa do Sauípe (PE). “Antigamente, as velhinhas só faziam crochê e iam pra missa. Eu até gosto de fazer os dois, mas no seu tempo e não só isso”, complementa.  

Aos 60 anos, Marlene se redescobriu e não entende o espanto das pessoas com a proatividade que a nova terceira idade tem. Gosta de contar sobre a ida aos barzinhos com os amigos. Após perder um filho, o marido, mãe, pai e irmãos, se conhecer melhor foi o fôlego necessário para seguir em frente e perceber que ainda havia muito o que viver. “Tudo o que eu fiz de bom foi depois de mais velha”. Ela descobriu o gosto por cantar, a liderança para organizar eventos, como festas e bingos — e uma capacidade empresarial incrível. O seu maior desafio é tocar uma associação de idosos no Cruzeiro. Marlene está no cargo há 19 anos e nenhum colega se habilita a tirá-la do posto.

Por causa da associação, Marlene teve que se reinventar. Antes restrita ao ambiente doméstico e sem trabalhar fora de casa enquanto mais jovem, ela aprendeu noções empresariais — como contabilidade, pessoa jurídica e organização de eventos. “Cuidar daqui me estimula.” Graças ao trabalho, aprendeu a mexer no computador, e o WhatsApp virou uma ferramenta fundamental. 

Marlene não para: enquanto organiza o salão para receber palestras, fica de olho se o lanche está bem servido e dá atenção para cada colega que chega. Na última quarta-feira, recebeu agentes do Detran que faziam uma palestra sobre como os idosos devem se portar no trânsito como pedestres e motoristas. A preocupação com o bem-estar social vai além da comunidade que ela cuida. “Agora mais do que nunca eu voto todos os anos, embora não seja obrigatória. Mas veja bem: eu estou mais experiente e me sinto com mais capacidade para votar".